Buscar

BANANA X AGRESSIVIDADE


Photo by Man Dy & Pexels

Casos de agressividade canina são exagerados pela mídia, principalmente se o cão agressor pertence a uma determinada raça; marginalizando tais cães que não têm culpa de serem trazidos para conviver em ambientes inadequados e com tutores, que por falta de orientação relevante ou mesmo por negligência deixam seus cães à mercê do acaso.


Toda agressividade deve ser interpretada com muita precaução, visto que existem múltiplos fatores implícitos no ato da agressão.



Indiferente do tamanho ou da raça do seu cão, se ele é agressivo significa que você tem um problema sério e que deve ser tratado.


A agressividade é algo genético e está diretamente ligado ao instinto de sobrevivência, faz parte da condição animal. Cães utilizam a agressividade para conseguir atingir um objetivo, como por exemplo: afastar algo que lhe incomoda.


Cães são observadores e aprendem o tempo todo. Muitas vezes, tutores reforçam condutas agressivas nos cães por não terem consciência do que estão fazendo. A agressividade do cachorro pode ser incentivada quando o tutor diz palavras de conforto, quando o abraça e acaricia o seu animal de estimação durante ou após uma reação agressiva.


É frequente tutores não terem consciência de que seu cão é agressivo até que o cão morda ou provoque algum dano. Cães têm a sua própria linguagem e é importante que o tutor saiba entender o que o seu cão está dizendo, nenhum cão ataca sem um motivo. Toda a agressão só ocorre quando há um motivo real.


Sinais de conduta como: evitar uma determinada situação, rosnado, postura desafiante, mostra dos dentes, são alguns dos sinais de que a agressão está para acontecer.


A origem da agressão canina pode ser dividida em:


Orgânica: são as causas físicas que afetam o animal como por exemplo: alguma dor, alguma doença, infecções.


Inorgânica: são em maior número e pode ser por controle, predação, defesa de território, medo, proteção maternal.

Acima, citei apenas alguns exemplos, cada caso deve ser analisado separadamente por um profissional qualificado.


E o que a banana tem com isso?


Várias pesquisas demonstram que dietas com teor elevado de triptofano podem reduzir o comportamento agressivo dos animais.


Observa-se que as concentrações dos receptores de serotonina em várias áreas do cérebro podem ser diferentes em cães agressivos quando comparados aos cães sem histórico de distúrbios neurológicos e/ou comportamentais (Badino et al, 2004).


A serotonina é um neurotransmissor que atua no cérebro, e estabelece a comunicação entre as células nervosas, podendo também ser encontrada no sistema digestivo e nas plaquetas do sangue. Esse hormônio é produzido através de um aminoácido chamado triptofano, que é obtido através dos alimentos.


Uma das formas de aumentar a concentração de serotonina na corrente sanguínea é consumindo alimentos ricos em triptofano com a banana por exemplo. Se o seu cão gosta de comer banana, acrescente esta fruta na dieta dele.


No entanto, não fique só na banana. O melhor tratamento para a agressão canina é a educação preventiva. Equilíbrio entre exercícios regulares, adestramento de obediência, socialização correta e no devido tempo, posicionamento do tutor como líder e interpretação correta da linguagem canina.


Investir na educação do seu cão é investir no bem-estar da família, prevenir futuros problemas e oferecer qualidade de vida para o seu cão pelo tempo que ele viver.


Felizmente, hoje, temos profissionais comportamentalistas que podem lhe ajudar com o problema da agressividade.


Se estiver enfrentando problemas com agressividade canina, contrate o serviço de um profissional qualificado.


Cão A otimizando relações


caoaeduca.com


#adestrador #educador #canino #joeabiko #cãoa #cãoaeduca #agressividade #tutores #sobrevivência #cães #cachorros #instinto #controle #predação #defesa #território #medo #maternal #triptofano #serotonina #banana #obediência #comportamentalista #psicologia #canina #comportamento #socialização #equilíbrio #reforço #mídia #bem #estar #família #alimento #exercício #dieta


Referências:


BADINO, P.; R. ODORE, M. C.; OSELLA, L.; Organnact BERGAMASCO, P.; FRANCONE, C.; GIRARDI G. RE. Modifications of serotonergic and adrenergic receptor concentrations in the brain of aggressive Canis familiaris. Comp. Biochem. Physiol. 139:343-350, 2004.


Digital Journal visitado em 11/02/2019

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo